Sexta-Feira
18 de Janeiro de 2019
 
 
  O quê procura? 
Usuário:  
Senha:  
esqueceu os dados?
cadastre-se gratuitamente
Pensamento
do dia:
"Eu dormia e sonhava que a vida era só alegria. Despertei e vi que a vida era só serviço. Eu servi e vi que o serviço era alegria!"
(Tagore)
  Inicial
  A Cidade
  Turismo
  
  NOTÍCIAS
  CONCURSOS
  SAÚDE
  ESPORTES
  CANAL JURÍDICO
  DIÁRIO OFICIAL
  ATAS CÂMARA
  FALECIMENTOS
  AGENDA
  
  Classificados
  Empresas/Serviços
  
  Telefone/Operadora
  
  CEP - superCEP
  Colunistas
  Culinária
  Diversão & Lazer
  Pensamentos
  Piadas
  Telefones
  Torpedos





publicidade




publicidade




publicidade




publicidade




publicidade


Guia de
Empresas
e Serviços

cadastre
grátis

/ Notícias
Notícias
Surto de febre amarela evidencia risco de epidemias de outras doenças no Brasil

clique para visualizarUFSCar
9 de Fevereiro de 2018

Pesquisador da UFSCar esclarece informações e alerta para o combate efetivo dos mosquitos transmissores

De acordo com o Ministério da Saúde brasileiro, no período de 1º de julho de 2017 e 30 de janeiro deste ano, foram registrados 213 casos de febre amarela, sendo que 81 pessoas foram a óbito. No mesmo período do ano passado (entre julho de 2016 e janeiro de 2017) foram 468 casos confirmados da doença e 147 mortes. Atualmente, já foram notificados 1.080 casos suspeitos, sendo que 432 foram descartados e 435 permanecem em investigação. Apesar de ser a febre amarela silvestre - o vírus está circulando apenas em ambientes de mata -, especialistas apontam que a reurbanização da doença é iminente e os riscos de contaminação em massa nas cidades são altos. "Temos mosquito que transmite o vírus da doença nas cidades, como o Aedes aegypti. Se não houver o controle desse vetor, o risco da febre amarela entrar nas cidades, diante do atual surto, é muito alto", relata Bernardino Alves Souto, docente do Departamento de Medicina (DMed) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e líder do Grupo de Pesquisa Clínica e Epidemiológica Aplicada em Ciências da Saúde.
De acordo com o docente, "a febre amarela apresenta surtos de vez em quando, principalmente em áreas de alta circulação viral, como matas e seu entorno. A doença atinge uma população mais suscetível e o surto acontece. Depois as pessoas ficam imunizadas e o quadro fica mais brando. No entanto, a intensidade do surto atual está muita alta, provavelmente devido a um grande desequilíbrio ecológico que oportunizou a intensidade da circulação viral em volta das matas, de onde a doença está vindo". Alves Souto afirma que esse é o pior surto de febre amarela já ocorrido no Brasil desde a década de 1930 e sua alta intensidade pode provocar a reurbanização da doença. "Se vier uma pessoa com febre amarela para São Carlos nos primeiros dias da doença, há risco dessa pessoa ser picada pelo Aedes aegypti e contaminar esse mosquito. Uma vez contaminado, o mosquito poderá transmitir o vírus da febre amarela a outras pessoas", alerta o pesquisador.
A vacinação contra a febre amarela é uma barreira importante, principalmente nesse momento de forte surto, "mas só com ela não vamos vencer essa guerra, ainda que possamos vencer uma primeira batalha. É preciso investir no combate eficaz do mosquito transmissor, o que também vai evitar outras doenças, como dengue, chikungunya e zika, que ameaçam novas epidemias no Brasil", afirma Alves Souto. Pesquisa recente realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro, comprovou o potencial de transmissão do vírus da febre amarela pelo Aedes aegypti e também apontou para a importância do combate aos criadouros do mosquito. "Por isso que combater os mosquitos é primordial para evitarmos epidemias ainda mais desastrosas", reforça o professor da UFSCar.

Combate histórico e ineficaz
"O Brasil sempre combateu epidemias de dengue por meio de medidas de baixa eficiência; medidas focais de impacto paliativo e imediatista mediante um modelo de gestão pouco produtivo e nunca enfrentou as causas socioambientais, políticas e econômicas da doença. Sempre se negou a intervir sobre o modelo social e urbano de desenvolvimento responsáveis por agravos dessa natureza. Nosso sistema de saneamento ambiental, de coleta, reciclagem e destinação do lixo, de planejamento urbano, entre outros, são extremamente atrasados e subservientes aos interesses especulativos em detrimento do interesse da vida e do bem-estar das pessoas. Nossa cultura é individualista, consumista, competitiva e o combate à dengue e a essas outras doenças exige o contrário. A educação e a formação de pessoas no Brasil também sempre foi negligenciada ao ponto de dificultar as pessoas de cuidarem adequadamente de si e do ambiente. Desde que reintroduzidas no Brasil na década de 1980, as epidemias de dengue, por exemplo, têm vindo cada vez mais mortais, mais próximas umas das outras e mais agressivas, como se estivéssemos lançados à própria sorte e não tivéssemos nenhuma possibilidade de defesa", relata Alves Souto, que também é representante da UFSCar no Comitê Municipal de Combate à Dengue de São Carlos, que reúne integrantes de 11 instituições diferentes do Município.
De acordo com o Boletim Epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde, em 2017 (dados contabilizados até o início de setembro), foram 219.040 casos de dengue notificados, sendo que a maior incidência dos casos estava nas regiões Nordeste e Centro-Oeste. Foram confirmados 88 óbitos causados pela doença no Brasil e outras 222 mortes estão sob investigação para certificação da causa por dengue. 
Em São Carlos, dados da Vigilância Epidemiológica mostram que a cidade enfrentou, em 2015, uma epidemia de dengue, com 22.331 casos confirmados da doença, e no ano passado foram 1.172 casos notificados, com 45 positivos. Apesar do número de infectados ter caído, o risco de novas epidemias é iminente já que o cenário epidemiológico é favorável, com chuvas, calor, águas acumuladas, pessoas não imunizadas e muito Aedes aegypti circulando. "A dengue tem quatro sorotipos de vírus. Na epidemia passada, muitas pessoas ficaram imunizadas pelo sorotipo que circulou daquela vez, em 2015. Caso circule um vírus diferente, poderemos ter uma epidemia tão grave ou pior. A chance de chikungunya e zika também é grande devido ao fato de praticamente não haver pessoas imunizadas contra essas doenças em São Carlos, ao mesmo tempo em que esses vírus já circulam pela cidade. Além disso, vivemos o alto risco da reurbanização da febre amarela, que é uma doença grave que pode levar à morte 40% ou mais dos doentes", alerta Alves Souto. 

Prevenção
O município de São Carlos é área com recomendação permanente da vacina contra febre amarela desde 2008, quando registrou um óbito autóctone (infectado dentro do município) da doença. De acordo com a Prefeitura Municipal, a vacinação está sendo feita por agendamento nas unidades de saúde. Indicações e orientações sobre a vacinação devem ser obtidas nas próprias unidades.
Além disso, para tentar impedir a proliferação do Aedes aegypti, a Equipe de Combate a Endemias da Vigilância Epidemiológica de São Carlos realiza diversas ações de controle como vistoria e pesquisa larvária em pontos estratégicos (borracharias, oficinas mecânicas, depósitos de material reciclável, dentre outros), locais de maior importância para criação e dispersão ativa e passiva do vetor, com grande quantidade de recipientes em condições de acumular água, e também em imóveis especiais, como hospitais, escolas, creches, asilos, supermercados, parques, entre outros. "As áreas com maior número de focos do mosquito recebem ações de bloqueio de criadouros, bloqueio de nebulização, mobilização social e, sempre que possível, mutirão de limpeza para remoção de inservíveis e orientação à população", relata Denise Scatolini, instrutora da Equipe Municipal de Combate à Endemias de São Carlos.
O professor da UFSCar aponta que, além das iniciativas do poder público, é preciso que a própria população esteja engajada na luta contra o mosquito e adote medidas de combate aos criadouros e de preservação do ambiente e da saúde. 
Sem esses cuidados e essa força-tarefa integrada da sociedade, o pesquisador acredita que novas epidemias serão inevitáveis nos próximos anos e alerta que elas podem gerar impactos consideráveis nos âmbitos social, econômico e da saúde. "Epidemias de dengue, febre amarela, zika e chikungunya geram absenteísmo no trabalho, muito sofrimento físico e psicológico, algumas mortes, intensa sobrecarga ao serviço de saúde, aumento significativo nos custos do sistema de saúde, crescimento no consumo de medicamentos, além de complicações de outras doenças que o infectado já possui", afirma ele. "Nenhum custo sanitário, social e econômico relacionado à prevenção dessas doenças, sequer, se aproxima do custo que é deixar uma epidemia acontecer. O custo econômico de uma epidemia supera, e muito, o da prevenção. Fora o custo social e humano, que não tem como medir", complementa Alves Souto. Scatolini considera que a prevenção ainda é a melhor ação e defende que, além das iniciativas e campanhas já estabelecidas pela Prefeitura de São Carlos, a participação efetiva da população nesta causa é essencial. O professor da UFSCar acrescenta: "As pessoas precisam ter consciência que dengue e febre amarela podem matar; que chikungunya e zika podem deixar sequelas; e que o saneamento ambiental, ainda que obrigação do poder público, não pode ser negligenciado pelo indivíduo nos espaços por ele frequentados porque o interesse é dele mesmo".
Para Bernardino Alves Souto, além da robusta mobilização social que envolve a mudança do modo como a pessoas vivem, convivem e produzem o desenvolvimento, é preciso construir cidades com espaços e oportunidades mais saudáveis, equilibrados e distribuídos com equidade. "Para erradicarmos essas doenças do nosso País, os municípios precisam ter mecanismos de drenagens pluviais adequadas, com coleta, destinação, tratamento e reciclagem de lixo eficientes. É preciso ter planos diretores preservacionistas do meio ambiente e que priorizem o bem-estar das pessoas; investir amplamente em saneamento e educação ambientais. A construção, a administração e a manutenção das cidades precisam mudar para um modelo com características mais humanizadas, mais sanitárias e menos especulativas", conclui o professor.

Imagens relacionadas:

   
 
Compartilhe essa notícia
Faça um comentário
sobre esta notícia
    Envie/indique esta
notícia por email
 
         

publicidade
1
2
3
4
5
6
slide


:: Últimas Notícias
Deborah Secco mostra os diferenciais do T-Cross em campanha digital da Volkswagen
A ação integra a campanha de pré-lançamento do modelo e ressalta suas tecnologias exclusivas, como o Park Assist 3.0 e o Detector de Fadiga  Assista aos vídeos ...
Escola de Verão em Química da UFSCar está com inscrições abertas
De 18 a 22 de fevereiro, o Departamento de Química (DQ) da UFSCar realiza a XXXIX Escola de Verão em Química "Prof. Dr. José Tércio B. Ferreira", com o ...
Edson Ferreira aponta risco de acidentes e pede reparos em asfalto no Jardim Botafogo
O vereador Edson Ferreira (PRB), protocolou na última terça-feira um requerimento à Prefeitura, solicitando providencias em relação aos buracos no asfalto da rua ...
Julio Cesar cobra agilidade no tapa buraco e cita cratera em frente à USF do Itamarati
O vereador Julio Cesar (PR) informou que vem recebendo diversos pedidos de providências na massa asfáltica em diversos bairros e cobrando um posicionamento mais ágil por parte da ...
Vereadora Cidinha pede serviço de limpeza no bairro Eduardo Abdelnur
A vereadora Cidinha do Oncológico (SD) protocolou nesta quinta-feira (17), indicação ao prefeito Airton Garcia para que determine ao setor competente a execução de ...
Preocupado com possível surto de dengue, Lucão agenda reunião para discutir medidas preventivas na cidade
O presidente da Câmara Municipal, vereador Lucão Fernandes (MDB), e ex-presidente da Comissão de Saúde do Legislativo, preocupado com um possível surto de dengue na ...
São Carlos recebe partida válida pelas quartas de final da Copa SP
A bola continua rolando no Estádio Luis Augusto de Oliveira (Luisão), em São Carlos. Nesta quinta-feira, dia 17 de janeiro, a partir das 19h15, a cidade recebe mais uma partida ...
Secretária de Gestão de Pessoas estreia PrefAOVIVO
A reestruturação administrativa foi o tema da primeira transmissão do PrefAOVIVO, um novo projeto da Prefeitura de São Carlos iniciado nesta quarta-feira (16), com uma ...
Escolas municipais recebem serviços de manutenção antes das voltas às aulas
A Prefeitura de São Carlos, por meio da Secretaria Municipal de Educação, está realizando reparos em todas as unidades da rede municipal de ensino composta por 48 Centros ...
Vias recapeadas receberão nova sinalização de solo
A Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito inicia na próxima semana a pintura de sinalização de solo nas vias recapeadas e que fazem parte do processo ...
Livro aborda formação e atuação do revisor de texto
"Mediação editorial: o que é? quem faz? Revisão de textos, ofícios correlatos e materialidades editáveis" é o título do e-book ...
Evento aborda a Comissão de Verificação da Autodeclaração de Raça e Cor
A Secretaria Geral de Ações Afirmativas, Diversidade e Equidade (SAADE) da UFSCar está conduzindo o processo de constituição da Comissão de ...
Biotecnologia e Monitoramento Ambiental recebe inscrições para mestrado 2019
O Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e Monitoramento Ambiental(PPGBMA-So) do Campus Sorocaba da UFSCar está com inscrições abertas para o ...
ACISC orienta consumidores sobre compra de material escolar
A Associação Comercial e Industrial de São Carlos (ACISC), em parceria com a Boa Vista SCPC, elaborou uma lista de orientações que podem ajudar o consumidor a ...
Pedido do vereador Robertinho é atendido e Prefeitura instalará semáforo na Vila Boa Vista
O vereador Robertinho Mori esteve em visita à região da Vila Boa Vista onde verificou o início das obras de adequação no trânsito, que contempla a ...
Lucão saúda futuro chefe de instrução do TG e reitera apoio à corporação
O presidente da Câmara Municipal, vereador Lucão Fernandes, recebeu nesta terça-feira (15) a visita do subtenente Marco Antonio Fernandes Ribeiro, Chefe de Instrução ...
Cidinha do Oncológico pede melhorias em áreas de lazer na Vila Brasília e no São Carlos 8
A vereadora Cidinha do Oncológico (SD), preocupada com a situação das áreas de lazer da cidade, apresentou na Câmara Municipal dois requerimentos solicitando a ...
Curso sobre planejamento e controle de obras públicas é ministrado para servidores da pasta
Na última segunda-feira (14), no Paço Municipal, funcionários da Secretaria Municipal de Obras Públicas passaram por uma capacitação voltada para o ...
Cemac promove roda de conversa sobre tolerância religiosa
A Prefeitura de São Carlos, por meio do CEMAC (Centro de Artes e Cultura), realiza na próxima segunda-feira (21), às 19h30, a roda de conversa “Caminhos para a ...
São Carlos tem 7 edifícios com tombamento aprovado pelo CONDEPHAAT
O CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico Arqueológico, Artístico e Turístico) publicou no Diário Oficial do Estado de São Paulo, desta ...
pesquisar notícias + MAIS NOTÍCIAS


Relação de Feriados e Pontos Facultativos
:: Eventos/Agenda
:: Mais lidas
» Publicidade





 
 

indique nosso site

adicione em seu Favoritos

defina como sua página inicial

| QUEM SOMOS | PUBLICIDADE | FALE CONOSCO | PRIVACIDADE | REGRAS |

| BLACK FRIDAY PROMOÇÕES | DIA DO CONSUMIDOR PROMOÇÕES | CYBER MONDAY PROMOÇÕES |
| BOXING DAY PROMOÇÕES | BLACK DECEMBER PROMOÇÕES |
| GERADOR DE CUPONS |

São Carlos Oficial é um serviço desenvolvido e oferecido por StrZero Soluções Digitais.

Copyright© 2019 - StrZero Soluções Digitais.
Todos direitos reservados. All rights reserved.